• Sementes doamanha

POESIA NA BOCA DO SERGIPANO


Rap sergipanês é um capitulo dedicado a poesias inspiradas no folclore sergipano. O folclore, no caso, desvelado nos bordões, expressões e ditos populares recorrentes da prosódia sergipana ou da forma e "jeito do sergipano falar". 



Barrê, muictho pouco, caranguejo, dentre outros jargões inspiram trabalhos que você pode conferir no livro "Fragatas não voam só: poesias encantadas". Essa nova obra do multi-artista Thiago Fragata, radicado em Lagarto desde 2019, foi contemplada no edital de Literatura e Artes Visuais da FUNCAP/SE, com recursos da Lei Aldir Blanc. 



Compartilhamos um texto, como exemplo:



POESIA NA BOCA DO POVO 



Quem tem com que me pague 


não me deve nada 


Nada, nada, morre na praia. 


O brejo é a praia do sapo


será que hoje vai dá praia?


Ih! A vaca foi para o brejo 


mas nem tudo tá perdido 


de chinelo vou até a China 


e quem tem boca vai a Roma.


Não embroma, não engoma 


ferro velho tem ferrugem...


ferrugem e nódoa macula. Nossa!



Quem tem com que me pague 


Não me deve nada 


Nada, nada, morre na praia, 


morre na praia 


Dito e feito


Pra tudo tem jeito 


Pé torto, sapato roto


Viva sua vida


Se o povo falar, falar não ligue


Não ligue deixe o povo falar 


Quem empresta não presta


Quem dá o que tem a pedir vem


e, quem mente a língua fica fora do caixão


Só o tempo é o senhor da razão.



Quem tem com que me pague 


Não me deve nada 


Nada, nada, morre na praia, 


Eu tou é besta com isso aqui


Poesia pra dá e vender 


Na boca do povo


De boca em boca


A migué e a garné


O que é de gosto arregale o peito


Cavalo dado não se olha os dentes


Assim, botando pra quebrar


Demoro entrar numa querela 


Gato escaldado tem medo de água fria 


Nem fria nem quente, não esquente 


Dou um boi pra não entrar numa briga,


se entrar num aceito uma boiada pra sair 


Mato ou morro, corro pro mato


ou corro pro morro


Fala sério...



Quem tem com que me pague 


Não me deve nada 


Nada, nada, morre na praia, 


morre na praia... de sede!



Adquira o livro, se deseja conhecer integralmente a coletânea formada por 40 textos e 4 ilustrações autorais. Custa R$35,00 com frete incluso. Faça contato direto com o autor pelo instagram @thiagofragata1844 ou pelo zap  (079) 99122-6477



#poesiasergipana #funcapse #literaturasergipana #poesiabrasileira



62 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Logo Sementes - sem nome.png

Sementes do Amanhã